Profundez: #netflix
Mostrando postagens com marcador #netflix. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #netflix. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Filmes: Vamos falar sobre I AM MOTHER?!
22:07:001 Comentários



Informações técnicas:


Título: I AM MOTHER
Ano: 2019
Gênero: Ficção científica e fantasia
Duração: 1h 53min
Classificação indicativa: 14 anos.
Sinopse: Após a extinção da humanidade, uma adolescente criada por uma robô encontra outra humana começa a questionar tudo o que aprendeu sobre o mundo.
Minha classificação:★’s



Minha opinião leiga:

É claro que apenas o fato de ter descoberto que a minha rainha Hilary Swank estava no elenco, já foi motivo suficiente pra me fazer querer assistir este filme. Mas confesso que não fui com expectativas tão altas assim, já que não costumo gostar muito de filmes que misturam humanidade e máquinas. Ainda mais quando a humanidade basicamente foi exterminada na história. Talvez eu seja um pouco traumatizada por já ter assistido alguns péssimos filmes com esse tema? Talvez haha.

Mas, eis que I AM MOTHER se mostrou um filme emocionante, capaz de me arrancar algumas lágimas.

De fato os humanos morreram e o poder para que a terra fosse reabitada, foi deixado nas mãos mecânicas de uma máquina. Mas, não é apenas uma máquina. É um droid programado para ser mãe, cuidar de seus filhos desde o nascimento.

Por mais bizarra que possa ser a ideia de ter um humano chamando uma máquina de mãe, ao longo do filme acabamos nos acostumando com isso. Tanto que, pra mim, a cena mais emocionante do filme todo foi protagonizada pela mãe (droid) e pela filha (humana).

Mas é claro que tenho muitas considerações a fazer entre o início e o final do filme. A primeira delas é que apesar de não conhecer a atriz que fez o papel principal, achei que ela simplesmente arrasou na interpretação. Ela conseguiu transmitir emoções que considero essenciais para que eu pudesse me sentir dentro da história.

A parte visual também é bem caprichada, mas, considerando que passamos mais de metade do filme trancados em um abrigo de concreto... Bom, eu particularmente esperava que fosse algo bem feito já que não há tanto cenários assim.

Pra mim, um dos grandes pontos desse filme, e também o que conseguiu me prender por quase duas horas no sofá sem nem ter sentido o tempo passar, é que é impossível saber em quem confiar. São tantos sentimentos e situações conflituantes que é impossível você encontrar um meio termo e confiar cegamente naquilo. Mas o que ficou óbvio é que, por mais que sejamos criados por máquinas, nunca vamos deixar de ser humanos.

Enfim, tenho a famigerada sensação de que ficou algo escondido neste filme, não sei dizer o que exatamente. Mas claro, quem já assistiu deve ter percebido algumas pontas soltas e é provável que já tenha criado suas teorias, assim como eu criei as minhas. Mas, preciso confessar que nenhuma delas faz muito sentido haha.

Será que teremos um segundo filme? Ainda não vi nada sobre isso e também não sei se quero acreditar que terá ou não. Gostei deste, mas ao mesmo tempo, sinto que faltou só um pouquinho para concluir tudo. Ou seja, a menos que haja outro lado imenso sobre essa história, fazer um filme só com esse pouquinho que faltou, não faria sentido nenhum.

Mas enfim, essa é só a minha opinião. Agora quero saber a sua! Me conta aqui nos comentários se você já assistiu I AM MOTHER e o que achou.


Se você ainda não assistiu, aproveita e clica aqui pra conferir o trailer.
Postado à:

quarta-feira, 28 de março de 2018

Sobre Desventuras em Série ♥️
14:56:000 Comentários

Olá humanxs! 
A segunda temporada de Desventuras em Série está prevista para o dia 30 de março, sim, bem no feriado... Alguém disse maratona?!😍
Mas antes de qualquer coisa, precisamos falar sobre essa história!

Apesar de eu nunca ter lido os livros (vontade não falta haha) essa história tem um baita lugarzinho especial no meu coração. Já assisti o filme umas mil e quinhentas vezes, e pra mim ele tem aquele gostinho de nostalgia de infância.

Então, vocês já devem imaginar que eu maratonei a primeira temporada em apenas um dia e que pretendo fazer isso com a segunda temporada também. Mas claro, tenho as minhas ressalvas.

Realmente acho que a Netflix acertou em cheio em relação a praticamente todo o elenco. Porém, não consigo me decidir quanto ao Conde Olaf. Acho que eu estava tão acostumada a ver o Jim Carrey fazer esse papel, que só o fato de ver o Neil Patrick Harris no lugar dele, já me incomodou um pouco. Sim, eu adoro o Jim e sabemos que nada supera a atuação dele. Mas, estou apostando quase todas as minhas fichas que o Neil vai me surpreender nessa segunda temporada.

Os cenários também me conquistaram muito. A riqueza de detalhes em cada um deles fazia o meu coração quase dar cambalhotas dentro do peito haha.

Bom, eu infelizmente não posso comparar se a série é realmente fiel à obra original, pois, como já disse, ainda não li os livros. Mas se vocês já leram, me contem aqui nos comentários o que acharam da série e do filme também.

❓|Pergunta: Gostaram desse tipo de post? Até então o Profundez estava focado apenas em livros e vez ou outra em uma comparação entre filme VS livro. Mas eu amei fazer esse post e se vocês tiverem gostado, posso falar de outras séries também.

💬Vou deixar a sinopse logo abaixo, caso alguém esteja meio perdido nesse post porque nunca assistiu o filme ou a série e nem leu os livros.

A série narra as aventuras de três irmãos muito inteligentes, os órfãos Baudelaire. A história parte do momento em que as crianças são informadas de que seus pais faleceram em um terrível incêndio que ocorreu em sua mansão, destruindo-a.


No primeiro livro, as crianças vão viver sob tutela de um primo distante, o Conde Olaf, um homem terrível e pouco higiênico que tenta roubar a enorme fortuna que seus pais lhes deixaram.

Em cada livro as crianças são levadas a um novo tutor excêntrico; o Conde Olaf sempre os acha onde quer que estejam, aparecendo em disfarces ridículos com um plano diferente para roubar a fortuna das crianças. Aparentemente, os únicos que não são enganados pelos disfarces são os Baudelaire.


Postado à:

Profundez no Instagram: