2022 - Profundez

quinta-feira, 7 de julho de 2022

Resenha: A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça
00:20:000 Comentários

 
Oii gentewn!

Uma das minhas últimas leituras foi simplesmente A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça e outros contos, publicado em uma edição impecável pela Editora Wish.



Bom, pra mim essa era uma daquelas lendas que já nascemos sabendo... Ou não, pois eu esperava algo completamente diferente haha. Tudo que vi em filmes, séries e até mesmo em outras histórias foi surpreendentemente diferente da história original escrita por Washington Irving.


Em A Lenda do Cavaleiro
Sem Cabeça percebemos que o próprio cavaleiro fica em segundo plano e o que realmente constrói a trama, é um professor tentando cortejar uma bela moça. Arrisco dizer que a própria cidade ganha mais assombro do que o cavaleiro, visto que ela nos é descrita como um lugar propicio a aparições fantasmagóricas e milhares de lendas assustadoras.



Quanto aos outros contos...

Rip Van Winkle me proporcionou uma viagem mental... Pois você já imaginou como seria dormir por 20 anos e acordar em um mundo completamente diferente? Olha, eu que estive aqui, sem nenhum cochilo neste tempo todo, já acho o mundo bem difícil de se compreender... Imagine então com uma soneca dessas!


O Noivo Espectral (e a cozinha da estalagem) foi o que me decepcionou por não entregar o desfecho que eu queria haha. Uma moça prometida a um rapaz que simplesmente é morto no caminho até sua casa... Oh, imaginem só os netos fantasminhas que seus país poderiam ter (okay, me decreto culpada por amar fantasias sombrias).


O Diabo e Tom Walker ou melhor dizendo, o meu conto favorito. Pois se você faz uma barganha com o demônio e então recebe imensas riquezas com o objetivo claro de se tornar um agiota e destruir a vida do maior número de pessoas, é óbvio que terá de pagar com sua alma.


Enfim, no geral eu amei esse livro pois foi fácil achar pelo menos um punhado de coisas para gostar em cada um dos contos. Porém, é impossível ignorar expressões/descrições extremamente racistas e machistas. Então, é um daqueles livros que você precisa levar em consideração o recorte histórico do momento em que ele foi escrito (o que a Editora Wish sempre frisa super bem nos capítulos extras) e decidir se vale a pena ler ou usar seu tempo em obras mais atuais. 



Postado à:

Profundez no Instagram: