Resenha: Will & Will, um nome, um destino - John Green e David Levithan - Profundez

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Resenha: Will & Will, um nome, um destino - John Green e David Levithan


Título: Will & Will, um nome, um destino.
Autores: John Green e David Levithan
Ano: 2015 
Editora: Galera Record
Número de páginas: 348
Minha classificação: 4★’s

▶Sobre a edição:
A minha edição é simplesmente horrível! Folhas brancas quase transparentes, capa sem orelhas e super frágil que já começou a “descascar” assim que tirei o plástico e sem falar dos erros que eu encontrei durante a leitura. Porém, já vi outras edições maravilhosas. Ou seja, eu que dei má sorte de ganhar essa.

▶Sobre os personagens:
Como de costume nos livros do tio João Verde, os personagens são adolescentes e extremamente peculiares. Mas ao mesmo tempo nós meio que já começamos o livro esperando por personagens exatamente daquele jeito. E bom, é impossível não amar o Tiny Cooper até mesmo quando estamos odiando ele.

▶Sobre a história:
Em Will & Will nos conhecemos dois garotos com o mesmo nome, Will Grayson. No entanto, essa é praticamente a única coisa que eles têm em comum. Mas apesar de serem super diferentes um do outro, em vários momentos nós conseguimos nos identificar com os dois e ao mesmo tempo entender muito bem o que eles sentem.

Antes de começar a ler este livro eu achava muito que o foco principal era abordar temas como homofobia, já que um dos Will’s é gay e pelo fato de o livro ter sido “vendido” justamente frisando esta parte. Mas não foi bem isso que aconteceu. Na verdade, o foco mesmo parece ser a adolescência e diversos dramas que vivemos nesta fase da vida. O que obviamente me fez passar por uma chuva de nostalgia, principalmente porque eu já vivi várias coisas parecidas com o que era citado no livro.

Mas o que me fez colocar esse livro entre os meus favoritos? Tiny Cooper. Sim, ele é um personagem irritante em alguns momentos mas ao mesmo tempo é simplesmente incrível. Consegui observar o quanto ele cresceu ao longo das páginas a ponto de se tornar praticamente o personagem principal. E no final do livro, ele e os Will’s deixam uma mensagem de amor e respeito tão linda que certamente não teria sido possível se ele não existisse na história.


Sem falar que eu me identifiquei muito com ele e com o quão leonino ele parecia ser haha. ⠀
Se este livro estiver aí de enfeite na sua estante, como foi no meu caso, eu realmente acho que você precisa dar uma chance pra ele. Porém, pode ser uma leitura que te decepcione um pouco. Então, nada de criar muitas expectativas. Ele é um livro leve, gostoso de ler, divertido, emocionante (chorei horrores no final) mas não é nada muito surpreendente e diferente de outros livros que já existem.


Acho que o que realmente vai definir o quão bom esse livro é, será o tipo de ligação emocional que você terá com ele. Aliás, as minhas experiências com livros do John Green são exatamente assim, apesar de achar a escrita dele super fluída são poucos os livros que me chamam atenção e eu sempre acabo me apegando à eles. Já quanto ao David Levithan, não posso falar muito pois nunca li nenhuma obra individual dele.

Ps: Caso você não goste de livros com muitos palavrões, com certeza vai odiar a escrita dos autores neste livro. Pra mim foi super tranquilo, já que realmente não tenho muitas papas na língua.


❓| Pergunta: Você já leu este livro ou pretende ler? Me conta aqui nos comentários 💙

Nenhum comentário:

Profundez no Instagram: